domingo, outubro 2

Amigos.


Amizade verdadeira não precisa ser atestada com exposição e excesso de admiração. As ações cotidianas é que nos mostram o que é ser verdadeiro. Uma ligação, um gesto de carinho espontâneo, uma memória salva e até um esporádico encontro é que nos dão a certeza de que nenhum tempo é capaz de discernir os verdadeiros amigos. A fragilidade de uma relação de amizade está à toda prova quando nós sentimos a necessidade de autoafirmar a quem quer que seja o carinho e a presença de alguém na nossa vida, de maneira a despertar nos outros a veracidade da aliança que existe. Quem tem um amigo de verdade não precissa provar nada a ninguém, nem atestar com frequência o quanto de lealdade há no que fora construido. As melhores amizades são aquelas que o silêncio, o abraço, as palavras são ditas no momento em que a gente não precisa, e, quando precisa basta um telefonema para sentirmos que mesmo distantes o quanto somos próximos. Tudo que gira em torno do excesso, da autoafirmação publicada, principalmente nesse meio antropologico denominado de cibercultura, nos demonstra a insegurança das relações que se fazem e desfazem num sentido temporário de conveniências.