quinta-feira, novembro 12

LiterAR

Clarice não me deixa mentir

Saudade se pode matar

Vinícius em soneto entende

Amor quando vem é pra ficar.

Adélia me deixa em Prantos

Quintana em poesia compõe

Caio que de Abreu me invade

Machado em suas letras repõe.

Palavras que fazem emergir

Literatura sem pretensão

Poesia pra gente dormir

Prosa com afeição.

Quase fruto desses versos

Uma rosa que caiu

Primavera em meus versos

Bom pro nobre e servil.

Hora Eça é Queiroz

Brincadeira de Alencar

Guimarães que exala as rosas

Para Bilac Anunciar.

Para completar essa chama

Drummond vem a fitar

Meireles me estimula os olhos

Poesia me faz respirar.