sábado, outubro 17

Pra não dizer que não falei da "flor"


Não procuro propósitos ou porquês, sei apenas que ela apareceu como ligeireza de vento que anuncia flores e destino. Permeado de sentidos, suas palavras me edificavam o coração, numa prosa lírica que me detinha os poros em sutileza.
Não teceria redes para escapes ou senões. Ele a tecia de cordões imaginários das vontades, dos desenhos do vento açoitando os cabelos dela no ar, feito vela, feito chamado de perdição.
A pele de cor mulata extraía a íntima relação da lua com o sol. Chamava-lhe atenção à tessitura de seus lábios, os olhos redondos feitos jabuticabas que comandavam sua retina pelo tino de suas certezas.
Ela tinha meridianos na boca, e mares secretos na saliva, e no seu corpo a erosão apenas esculpiu encostas e escarpas a serem escaladas. Sorria como quem acende mirantes e quando ele a viu meeira de rosas, soube que as rotas de todas as viagens poderiam se dar num único caminho.
A sensação daquela entrega se compunha de pétalas vermelhas, num breve, e mais lindo ramalhete a ser entregue numa manhã nua, crua de sensações. O sorriso não esperado, se tornava o portal de uma felicidade em nuvens, eternizado na memória daquele céu azul.
A manhã era nua, as pétalas exibiam sua nudez de língua desnecessária, e a dona, senhora do mundo, era nua sob a roupa, vazante da doma que sabia ter, em pelo, em poros, em aceiros de distância. Ela se sabia roubada, sob seus dedos, explorada sob seus olhos, percorrida sob sua imaginação, e todas as purezas e hóstias comungariam sob sua vinda e todas as indecências se acomodariam á sua falta.
Dueto com o Colunista e amigo Cesar Oliveira http://www.emporioletras.blogspot.com/ .