terça-feira, janeiro 13

Faz sol lá fora...

A minha alegria está de ressaca, deu vez a tristeza e ao emaranhado de pensamentos soltos que ficam flutuando pelo coração. Faz sol lá fora, mas aqui dentro sinto um dia nublado, uma sensação de querer voar pra bem longe e não voltar tão cedo. Deixar que o tempo se encarregue de mostrar quando devo pousar novamente, quando devo dar vez a todas as oportunidades que existem no viver que é lindo, e eu sei. Os dias não são constantes, o vazio enche a alma e me deixa pesada, cheia, contraditoriamente. Não vou dar nomes, nem sempre amanhecemos felizes, com dias amarelos, azuis, mas o tom cinza hoje me prevaleceu desde a manhã e a mente não pára. Quanta coisa há dentro de mim, nada some. Há tanta gente, tanto sentimento, várias perguntas sem respostas, várias respostas sem sentido e um aglomerado de planos. Estou só, a gente quer enxergar o bonito e não consegue, quer entender os significados e eles pairam, fogem da mente. As pessoas passam distantes, mas estou aqui... Eu aprendi a crescer com a tristeza, e o melhor de tudo, é que ela me deixa com os dedos soltos e sobre uma vontade de não parar de escrever, como se todos os sentimentos saltitassem nas pontas pedindo clemência para as palavras... Nessas horas a escrita me abraça, me afaga os cabelos e me faz adormecer...Quem sabe amanhã, eu traga alegria de volta por aqui. Que os anjos me protejam, amém.