sexta-feira, janeiro 16

Eu também vos desejo...

Utópico demais pedir FELICIDADE PEREFITA. Eu quero é saúde, força, vitalidade para seguir em frente, na busca do que ainda falta. E isso inclui todos os lados, saldos positivos e negativos que me reconstroem com sombras e dúvidas. Erros e acertos na minha vida em doses continuas, pois se não fossem eles não me sentiria tão bem em comemorar os novos anos de vida. Palmas para o mundo capitalista “neste” momento, é um absurdo achar que você não precisa de dinheiro, e mesmo que não seja tudo, quero que ele seja a recompensa do meu esforço diário, para que as meus roteiros e bagagens estejam sempre ao pé da cama. Quero meu alfabeto por completo de amigos, todos eles que me fazem acreditar que meu verdadeiro ícone é o sorriso indispensável das conversas. Triste?! Alguns dias são, mas do satélite natural da terra, é justamente essa a minha grande identificação. FASES. Desacredito na estabilidade dos meus dias, quero a impressão, a contestação diária de que amanhã meu humor vai ser diferente, de que meus amores mudarão nas estações, de que as paixões sempre passarão, como passaram até hoje. Oswaldo Montenegro ainda me compõe em sua METADE. Cecília Meireles muito bem me define com LUA ADVERSA. Clarice Lispector me dar à evidência de suas letras impregnadas no meu cotidiano. Jorge Vercilo ainda continua por me restaurar com suas letras e canções. E as PALAVRAS, ah estas palavras, me compõe sempre ao avesso, como a HISTÓRIA me faz os dias, mesmo que cause dor e desengano. Faço, refaço, questiono, contraponho, sou impulsionada pelos instintos tantas vezes medíocres do meu coração, e neste momento me retraio. Basta dizer, que de uns tempos pra cá, o meu nome já não se define como substantivo próprio, passou a ser advérbio de intensidade, e me sinto lisonjeada por isto, a semântica também. Já me senti muito mais Maria do que Luana, hoje não. Quero a Luana conjugada com a Maria para todo um sempre, tenho aprendido que os verbos conjugados no presente têm significados “mais-que-perfeito” , pretérito se encaixa nas boas lembranças. Futuro? Amém, ao meu Deus pertence, e sempre pertenceu. A fé por mais que a ciência continue a se afirmar, continua a ser companheira diária. Credibilidade para vida, sorrisos,saúde, paz, amor, paixões, equilíbrio, amigos e família, minha família, que mais poderia querer?! Quero a repetição dos anos, e saudosamente cada vez mais a constatação de que minha vida vale a pena por ter tanta coisa boa reunida dentro dela. Um cálice de amor para sua vida.