terça-feira, janeiro 27

A arte da canalhice.

Me desculpe o publico masculino se eu generalizar, mas os que se salvam estão pagando caro por toda a canalhice aguda, sacanagem medíocre, lábia congênita que se instalou na cara de inúmeros babacas que estão tentando tatear o mundo com essa arte. Pois bem, se eu não fosse tão bem definida como HETEROSEXUAL diria que tomei abuso de homem, dessa laia disfarçada de gente que engana, machuca, usa e abusa como se as mulheres fossem feitas de pano, capazes de serem costuradas a qualquer momento. Vou suavizar. É verdade, as mulheres também andam assim, perderam um pouco de sua sensibilidade para se adequarem a esse universo de banalidade, vazio, detentor de uma falta de respeito sem tamanho. Mas a culpa meu bem, não é somente dos valores culturais que mudaram, do espaço conquistado por nós que vão muito além do mercado de trabalho. A culpa esta bem delineada nas relações que estão sendo criadas, num mundo onde não se valorizam mais sentimentos, onde as conquistas tornaram-se jogos, e o espaço construtivo da relação foi pra de baixo do pano, acabou, já era. Os caras beiram os trinta, passam dele e ainda gingam na malandragem ardente de querer muitas. Fala sério, já ouvi muita gente abrir a boca bem contente e dizer, que se pode ser feliz sozinho. Concordo, podemos ser felizes sozinhos, sem essa ajuda desgastante que acelera o coração e faz a gente acreditar que encontrou. Que faz muitos de nós irmos atrás, correr, lutar , demonstrar e ser levado depois ao desprezo. E ficar com toda cisma do “o que foi que eu fiz?”. Se é pra ser feliz sozinho, com todas as conquistas pessoais, que seja, mas não procure alguém para suprir momentaneamente suas carências e depois pular fora. Cinismo, o papinho é sempre o mesmo, as vezes até mais enfeitado, mas a gente aprende. Aprende a entrar nesse fantoche onde quem leva mais é quem faz menos, onde as desculpas esfarrapadas são sempre as mesmas. “Compre a sua cerveja” e por favor, não volte mais. Compre o que quiser, mas só fará comigo uma única vez, porque já deixei passar da terceira e nunca deu certo, não será agora que vai dar. Cansei de desse jogo imbecil de vai e vem, de tentar, de me esforçar a acreditar que pode ser diferente, é sempre assim no inicio, um papo bacana que faz balançar e ser convidativa. A rotatividade da vida permite mudanças, um dia você vai precisar ser gente de novo, e quem sabe será muito tarde pra perceber que a babaca de ontem, é uma pessoa feliz, com uma família bem constituída e um amor sólido, por ela mesma e por tudo aquilo que conseguiu na vida. Quanto a você, descanse no vazio, na solidão conturbada dos seus dias que permitem que você encha a cara, pegue cinco e volte pra casa do mesmo jeito; vadio, pequeno e insatisfeito com tudo que te cerca, porque amor, amor de verdade, você nunca saberá enquanto postergar uma vida a dois, com respeito, companheirismo e gratidão. O resto você consegue fácil, vem com tudo aquilo que compõe o lado esquerdo do peito. Emoções e os outros requisitos básicos do ser feliz a dois. Ser duro na queda é uma resistência desnecessária quando sentimos o coração sair pela boca.