sexta-feira, abril 20

SURPRESA


Era surpresa pra mim, não pra vida. O impulso da conquista distorcia as improbabilidades e fortalecia a missão do encontro.

Ao encontrar foi como se os anos que ainda nem tinham chegado, já estivessem presentes muito antes das primeiras palavras. Coisas além da vida? De corações que reconhecem seus nichos e se debruçam sem medo de voltar? Posso dizer que é alma gêmea?

A intensidade da afinidade é tão igual à quantidade dos nossos sorrisos e vontade de sermos felizes que não acreditamos na maldade plural que vem de fora. Quando nos abraçamos viramos escudo um do outro e tudo é combatido com amor.

Todos, exatamente todos que ganharam o presente chamado vida, tem a chance e a oportunidade de tomar decisões, correr riscos, terminar e recomeçar quantas vezes quiserem.  Se você ainda não tentou por medo, não sabe a alegria que tem um bom voo após sairmos da beira do abismo.

Nós caímos para aprendermos a sermos fortes, e é como se os tombos do presente nos levassem a uma montanha de felicidade, no qual refletimos sobre o passado sem a destemperança, mas com serenidade para fazermos valer a escolhas que optamos.

Não é certo  ou errado, existe apenas a ética e ela não nos veta a capacidade de sermos felizes por rompermos com paradigmas pensando apenas no outro, sem entendermos que há escolhas que são apenas pactuadas com o presente, o futuro desperta e faz compreender.

Eu não sei por quantas vezes você teve coragem de recomeçar, arriscar se entregar aos seus acontecimentos sem ter medo de quebrar novamente a porcelana, o que eu posso afirmar é que recomecei com dúvidas e sigo com a certeza de que fiz a opção mais alegre dos últimos tempos.

Felicidades aos nossos corações que se encontraram no momento mais inesperado das nossas vidas.

Eu te amo, Mar, aquela estrela será tua pra sempre.