terça-feira, fevereiro 1

Sensatez


Antes de dormir, fiquei imaginando por onde andam teus olhos. Teus olhos pretos como jabuticaba na comparação do Monteiro Lobato, teu sorriso menino despedaçado no teu corpo pueril.

Hoje, quando já era quase meio dia, lembrei de trocar a minha rotina, o contato cansado de quem não espera, por isto, nem alcança. Pensei nas tolices, nas incertezas que também são vãs, nas orações suprimidas e nas ligações desfeitas.

Enquanto você partia, eu apenas chegava. E o que nos levou embora foi a falta de coragem... Nem ela nos restou.

Dispenso o gerúndio, e não rebusco a fala para que seja clara a interpretação dessas palavras. (Re) lembro a intransigência daquele pensamento: "Você lembrará que sorriu comigo... ah, você lembrará". E eu lembrei.

Lembrei do sorriso revertido, das palavras engraçadas e do quase amor, do que não temia ser meu, e das migalhas que converti em felicidade. Contentava-me com o pouco, e tu cientes das contrapartidas, abatias sorrisos com lágrimas... Vai ver eu tava na esquina, e nunca no teu coração.

Quando me fizeram entender que metade da nossa vida ficará sem explicação, já era quase dia, e as minhas poucas certezas grudaram uma na outra fortificando o sentimento obtuso e perene daquilo que não há mais em mim...