segunda-feira, fevereiro 16

SalvaDOR

Alegria sempre foi uma sensação que contagia a todos. Não tem como se controlar, por mais que a tristeza insista em bater, bons sorrisos, música, dança, amigos, confete e serpentina são saídas quase certas para quebrar o marasmo da vida e te pôr sobre a ponta dos pés, ou seja lá qualquer ponta de felicidade que você queira estar. O carnaval foi feito para quebrar a rotina, dar asas à imaginação e mostrar como faziam os escravos , que nesse momento as diferenças não existiam. A toda pomposa corte se personificava em seus corpos negros, a vaidade estava solta, bom humor e muita energia . Quem dera se todo dia fosse carnaval. A solteirice aguda fica bem resolvida, pelo menos a minha foi. Passo o ano a remoer uma saudade sem pé nem cabeça, mas com todas as outras partes envolvidas, que quando chega fevereiro quero estar bem resolvida. Ponto. É assim que estou. Cada canto do Brasil com seus costumes e tradições afloradas, embora o sentido tenha sido perdido. Muitos querem partilhar da felicidade, sentir o clima, e como diria nossa linguagem popular: se jogar na folia. Outros tantos usam de toda sua futilidade, falta de respeito e burrice para acabar com a festa de quem quer aproveitar o momento numa boa. PAZ! Quero poder voltar da Bahia contando pra vocês do que vivi, de que algumas das minhas supérfluas dores foram salvas pelo calor humano, pela energia viva do momento que se implora pra ficar, ficar por todos os outros dias que virão. Mas, bem sei, que enquanto as minhas dores serão “salvas”, algumas outras se instalarão na vida de muitas, porque infelizmente o Brasil da impunidade, mesmo com todos os meus bons olhos, fica descrente quando ligamos a televisão e presenciamos tanta violência absurda, e o pior, ao lado, bem ao nosso lado. Mesmo assim, desejo que estes dias de alegria salvem todos os aborrecimentos, estresses elevados, tristezas, e mal humor da sua vida, porque de sagrado a profano todos nós temos um pouco,e essa é a nossa liberdade. Aproveite, divirtam-se!