sexta-feira, novembro 18

Stricto Sensu


Andei por querer sondar o amor, e tudo que chegava à minha cabeça era confusão de sentidos.

Não sabia que rota seguir. Atropelei cogitações, desviei certezas, colidi com princípios e fiquei no sinal vermelho da indecisão.


Não atrevi ultrapassar o cansaço, não redimi as fraquezas e nem ousei dar oportunidade ao novo.

Desencorajei na primeira tentativa, por que a impressão que fica não se dispersa fácil. A desesperança que move o mundo moderno, deslocou-me para suas rédeas com tanto afinco que percebi a impossibilidade do permitir.

Parti para teoria. Fui buscar uma base que possibilitasse ter mais conhecimento teórico da paixão, do que prático e desgastante.

Tive vontade de relevar as marcas e revelar o curado, o sagrado, a felicidade arrebatadora que deixa o outro incomodado com o tamanho do sorriso que gira por dentro. O deleite do improviso que chega disfarçado de amizade.

Tenho recuado, resistido a não propor: cansaço. Coração retalhado, bem desfigurado, faz a gente aprender com as experiências, que a paixão tem apenas mestrado.

Já  o amor se bem edificado, maturado, aprende com a paciência, com o respeito e o silêncio, o que é ter um bom doutorado.

Eu ainda sou especialista, especialista de acasos!